Home / Animes / Fullmetal Alchemist: Genocídio, religião e a pedra filosofal
Fullmetal Alchemist

Fullmetal Alchemist: Genocídio, religião e a pedra filosofal

Fullmetal Alchemist: Genocídio, religião e a pedra filosofal

Em 1994, estreava na Manchete Os Cavaleiros do Zodíaco. Não foi o primeiro desenho japonês a passar por aqui, mas foi o primeiro anime a fazer sucesso.

Um sucesso, porém, anormal! Saint Seiya virou uma febre entre crianças que provavelmente até hoje não houve igual.

Lembro da festa de aniversário de 1 ano do meu irmão, em 1995, quando eu e algumas outras crianças estávamos vestidos com camisas de Seiya e os outros.

Bonecos, músicas, figurinhas de chiclete, revista herói, mochilas e outros apetrechos que faziam a alegria das crianças consolidavam a febre.

Estavam então abertas as portas para os animes fazerem sucesso no Brasil, e o que se viu foi uma onda de heróis poderosos que protegiam o planeta das forças do mal.

Quando não era isso, era uma turma que lutava com a ajuda de monstros de bolso ou digitais.

Quando esses desenhos eram chamados de “adultos”, isso se dava pela violência, as lutas e o sangue.

Durante anos me vi assistindo obras como Dragon Ball, Yu Yu Hakusho, Street Fighter 2: Victory e gostava muito de todas.

Mas assim como filmes de Super heróis, assistir sempre as mesmas coisas pode cansar. E quando isso estava pra acontecer, conheci Fullmetal Alchemist, uma das melhores coisas que tive o prazer de assistir.

Vamos conversar um pouco sobre Fullmetal (Atenção para Spoilers)

 

Fullmetal Alchemist - Roy Mustang

Fullmetal Alchemist foi criado por uma mulher chamada Hiromu Arakawa, e teve seu mangá adaptado duas vezes para anime.

A segunda adaptação, subtitulada como Brotherhood, conta a história criada por Arakawa no Mangá e é dela que trataremos aqui.

FMA acontece em um país chamado Amestris, que mescla características da Alemanha nazista e a Inglaterra pós revolução industrial, com um modo de governo militar (liderado pelo Führer, isso mesmo), grandes ferrovias e uma tecnologia em desenvolvimento.

Fullmetal Alchemist

O diferencial aqui é o uso da Alquimia, a principal forma de ciência em Fullmetal, que consiste na compreensão, decomposição e recomposição da matéria.

Alquimistas podem modificar os elementos, transformá-los e usá-los de diferentes formas, inclusive para o uso militar.

O princípio primordial da alquimia é a Troca equivalente. Você não consegue criar algo do nada, sendo necessário dar algo de mesmo valor para conseguir o resultado da sua transmutação.

Fullmetal Alchemist

É nesse contexto que conhecemos a trágica história de Edward e Alphonse Elric, dois irmãos que vivem sozinhos com sua mãe, Trisha.

Edward e Alphonse se distraíam brincando e estudando alquimia, prática que se torna a paixão deles.

Hohenheim, alquimista e pai deles, abandona a família subitamente e deixa Trisha sozinha com os filhos, até que a mesma adoece e vem a morrer.

Desesperados diante da morte precoce da mãe, Edward e Alphonse tomam uma medida drástica: Trazer Trisha de volta à vida através da Alquimia, uma prática proibida e um tabu que causava temor entre os praticantes da “ciência”.

Em uma cena traumatizante e pesada, a transmutação humana dá errado, resultando numa carcaça horrorosa no lugar da mãe. Não bastando, Ed perde uma perna, Al perde todo o seu corpo.

Em meio ao desespero, Ed sacrifica seu braço direito para puxar a alma de Al (que era seu “braço direito”) e fixá-la em uma armadura que servia de enfeite em casa.

Assim começa a jornada dos irmãos:

chamando a atenção do exército pelo feito, mesmo que fracassado, se tornam alquimistas federais e partem em busca da pedra filosofal para recuperar seus corpos.

Fullmetal Alchemist - Pedra filosofal

A pedra filosofal é capaz de burlar as leis da troca equivalente, o que faz dela um objeto de desejo de muitos. Para o bem ou para o mal.

As maiores discussões de fé, moral e ética são levantadas ao redor da pedra filosofal, mas isso não significa que essas questões estão restritas à ficção.

Logo no início, um dos primeiros trabalhos dos irmãos que acompanhamos é investigar um líder religioso que vem executando milagres suspeitos em sua igreja.

Quando chegam na cidade, logo notam a manipulação que é feita pelo “reverendo”, que usa do discurso para persuadir os fiéis e usando do “show” para mostrar os supostos milagres que é capaz de realizar.

Assim como nas inúmeras religiões que possuem líderes charlatões que são capazes de destruir vidas, aqui conhecemos Rose, uma jovem que era manipulada pelo reverendo com a esperança de ter seu amado de volta à vida.

Rose é uma pessoa normal, jovem com uma vida pela frente, mas que perde sua vida ao ser enganada por um homem que usa da fé de outros para a própria ganância. Lembrou de quantas pessoas que já passaram por isso?

Fullmetal Alchemist - Tucker

Família e ética na ciência são temas recorrentes

Uma das mais antigas discussões no ambiente científico é sobre o homem “brincar de Deus”. Não a toa a clonagem humana é um assunto tão complicado.

Existe um limite para o avanço da ciência?

Esse tema é posto em cheque de maneira chocante quando conhecemos Tucker, um alquimista que possui sua pesquisa no desenvolvimento de Quimeras.

Quimeras são o resultado de uma trasmutação entre dois seres diferentes, formando um híbrido através da alquimia.

Fullmetal Alchemist - Quimera

Isso não é exclusividade da animação.

Em 1926, a União Soviética enviou uma expedição para a África, liderada por Ilya Ivanov, afim de inseminar esperma humano em chimpanzés fêmeas, com o intuito de obter um híbrido das espécies.

Diante das complicações óbvias e as mudanças políticas na Russia, os resultados da pesquisa não foram os esperados.

Aqui em Fullmetal, porém, as pesquisas sobre esses híbridos avançaram, e Tucker conclui da forma mais horrível já vista.

A eficiência de Fullmetal Alchemist em transmitir diferentes sentimentos sobe vários níveis com Nina, Tucker e a Quimera. É um misto louco de ódio, tristeza, pena e vingança…

Fullmetal Alchemist - Ishval

 

As semelhanças entre Amestris e a Alemanha Nazista não param apenas na figura do Führer.

Um fato triste sobre a história é a guerra civil de Ishval.

Os ishvalianos são um povo de pele escura, notórios pela sua religiosidade e pelos olhos vermelhos.

Amestris e Ishval, há muito em conflito, conseguem entrar em um período de certa paz, até que “acidentalmente” um soldado amestrino atira e mata uma criança ishvaliana. Esse é o estopim para uma onda de revoltas tão grande que transformou o conflito em uma verdadeira guerra.

Amestris e Ishval se enfrentaram por muito tempo, até o derradeiro momento que os alquimistas federais são enviados ao campo de batalha, que é o próprio território de Ishval, e simplesmente acabam com a guerra.

Os Ishvalianos são exterminados em sua própria terra. Um verdadeiro genocídio! Pouquíssimos sobreviventes restaram, sendo esses alvos de preconceito, racismo e aversão por onde passassem.

Qualquer semelhança com um período onde existia uma ideologia, na Alemanha, que causou um genocídio de um povo religioso e de pele mais escura é mera coincidência, ok? Não, claro que não é coincidência. Foi o Führer quem mandou!

Fullmetal Alchemist - Winry

Apesar de pesado, Fullmetal é sensível e possui momentos belos e emocionantes!

Uma das principais lições que aprendemos com Fullmetal Alchemist é o valor da vida. Não existe nada que possa ser comparado a uma vida. A lição é aprendida pelos irmãos da maneira mais dura possível:

* 20kg de carboidratos
* 4 litros de amônia
* 1,5kg de cálcio
* 800g de adenosina
* 250g de sal
* 100g de nitrogênio
* 80g de enxofre
* 7,5g de flúor
* 5g de ligas metálicas
* 3g de silicone
* 15 gramas em porções materiais

Esses são os componentes básicos do corpo humano. Com eles, Ed e Al tentaram trazer sua mãe de volta, mas falharam.

Falharam porque a vida está além do corpo e da matéria. Cada ser humano é único, e não há nada que possa valer uma pessoa, sua história, sua alma… Por isso a transmutação humana é um tabu. Não existe troca equivalente. Como trazer de volta a pessoa, a lembrança, a alma, a história? O que sobra é uma carcaça formada pelos componentes químicos que formam o corpo humano, mas totalmente vazia.

De uma maneira poética, bela e emocionante, Arakawa nos diz que cada um de nós é uma obra perfeita e insubstituível, e por isso devemos valorizar quem somos e quem temos.

Em determinado episódio, os irmãos participam de um parto. É um episódio leve, sem batalhas, sem conspirações.

É apenas um episódio focado em uma mulher grávida que precisa dar a luz, mas sem tempo, precisa fazer em casa.

Ao final, Ed faz a mesma reflexão: Existem pedras filosofais, alquimistas e mais alquimistas… Mas nada se compara a uma vida.

Um bebê recém nascido gerando reflexões profundas? Sim, totalmente!

Fullmetal Alchemist

Fullmetal possui referências à Cabala (Vide a árvore da vida na imagem acima), além de outras referências, como Xing, que é como uma mistura de China e Japão.

A cena acima retrata o portal da verdade, local onde ocorre um dos momentos mais chocantes de todo o anime.

Xing usa a chamada alquimia oriental, que busca interiormente o fluxo dos elementos. Em resumo é uma alquimia mais espiritual, voltada à meditação e ao conhecimento de si mesmo e de tudo que está ao redor. Uma referência à visão oriental, em contrapartida à alquimia ocidental, que está focada no que a matéria produz como resultado.

(Uma ode às metaforas de Arakawa)

Fullmetal Alchemist

O elenco de Fullmetal Alchemist é uma das coisas mais fantásticas que já presenciei.

São muitos personagens, mas todos maravilhosamente bem trabalhados.

Destaque para Roy Mustang, Major Armstrong, Izumi, Ganância e Ling.

Quando somos apresentados aos vilões da história, os homúnculos (representados pelos sete pecados capitais), embarcamos em uma sequência de momentos épicos.

Com uma trilha sonora emocionante, os sentimentos se afloram ao assistir Fullmetal Alchemist. Você vai chorar, sentir raiva, medo, desespero… Tamanha é a complexidade da obra.

A busca pela pedra filosofal é digna dos melhores livros, e a origem dela também.

Fullmetal Alchemist é uma obra muito mais parecida com a nossa realidade do que aparenta. A fantasia está lá, junto às lutas não tão frequentes, mas quem brilha são os personagens.

Os temas são pesados, mas não falta humor.

As tragédias são grandes, mas também há triunfos.

Você se emociona com personagens como Maes Hughes, e compreende o sentimento de vingança de Scar.

E ainda que o final não seja tão grandioso quanto a jornada, não haverá espaço para reclamações.

Fullmetal é capaz de fazer refletir, aprender e tirar lições pra toda vida:

Aprendemos com Hughes o que é o amor de um pai e marido.

Aprendemos com Edward e Alphonse o que é a dor de ser abandonado pelo pai, além da dor do luto repentino pela mãe.

Aprendemos com Scar o que é sofrer o racismo, além de guardar as cicatrizes de um extermínio racial que destruiu sua cultura, a memória de seus ancestrais e a sua família.

Aprendemos com Winry que a vingança é menor que o perdão.

Aprendemos com Mustang que precisamos de alguém ao nosso lado que não nos deixe perder o rumo.

Aprendemos com o Ganância que precisamos de amigos.

Aprendemos com Izumi que a obsessão por algo pode tirar de nós o que é vital para alcançar nosso objetivo.

Aprendemos com Hohenheim que vale a pena reconhecer seus erros, mesmo que tenham sido cometidos em nome de um bem maior.

Fullmetal Alchemist é uma história de amor. Amor de irmãos, filhos, companheiros e amigos.

 

Dê uma chance e aprenda com esta história…

Sobre Diego Tbt

O típico alucinado por JRPG’s e animes! Tem Final Fantasy como religião e vive em função de fazer as pessoas gostarem de coisas como One Piece, Fullmetal Alchemist e O Reino do amanhã. É estudante de história e possui uma enorme dificuldade em decidir sobre o que mais gosta, por isso tenta compartilhar de tudo um pouco no site e nas redes sociais.

Veja Também

Animes incríveis que não são sobre lutas

Pode não parecer tão fácil fazer uma lista de animes incríveis que não são sobre …