Home / Séries / Artigos de Séries / 3 episódios de Black Mirror que já são realidade
Black Mirror

3 episódios de Black Mirror que já são realidade

3 episódios de Black Mirror que já são realidade

As séries de TV já fazem parte da rotina de quase todo mundo há muito tempo.

Difícil é encontrar alguém que nunca tenha assistido a Game of Thrones, The Walking Dead, Breaking Bad…

Entre outras séries badaladas, todos temos nossas listas, e trabalhamos sério no intuito de encontrar tempo pra assistir a tudo.

Com essa popularidade tão grande, as séries de TV cada vez mais vem recebendo produções mais ricas e relevantes, tocando em temas vitais da nossa sociedade.

Uma das séries mais notáveis nesse quesito, Black Mirror é uma ficção científica assustadoramente real.

Sua temática tecnológica é apenas um pano de fundo pra explorar o que há de mais perigoso no mundo:

os humanos!

Pensando nisso, separamos aqui três episódios que mostram como Black Mirror é atual em seus temas, tocando em questões que estão muito presentes na sociedade.

Vamos à lista: *Alerta de Spoilers

Black Mirror - Nosedive

1 – S03E01 – Nosedive (Queda livre)

O primeiro episódio da terceira temporada nos apresenta metáforas muito próximas da nossa realidade:

As pessoas são todas viciadas em redes sociais(novidade), porém esse vício alcançou novos patamares…

A sua popularidade na rede social literalmente define seu lugar na sociedade.

Se a sua classificação for positiva, você alcança patamares mais altos (como descontos em compras, por exemplo).

Nessa urgência, as pessoas estão desesperadas pra chamar atenção das outras pra ganhar classificações positivas.

Mesmo que você seja um garçom servindo uma simples xícara de café, você faz isso para que as pessoas te classifiquem, instantaneamente, com o maior número de estrelas possíveis.

Similar aos inúmeros perfis de Snapchat que exalam uma felicidade e simpatia totalmente forçadas, a protagonista em um determinado momento morde propositalmente um cookie em forma de sorriso, e posta como se fosse uma coincidência engraçada. Nada que não vemos todos os dias…(Há poucos dias, no facebook, uma pessoa da minha lista de amigos perdeu seu animal de estimação e postou uma foto de si mesma chorando.)

É claro que nosso mundo ainda não chegou ao ponto de definir o quanto você ganha de desconto em uma casa pela sua classificação online. E também não exige que você alcance 5 estrelas para entrar na lista de convidados para um casamento.

Ao mesmo tempo não é absurdo pensar que isso pode vir a acontecer.

Nosedive por pouco não chega a ser uma metáfora do nosso mundo, pois a necessidade de atenção, a falta de tato no contato pessoal e a imagem irreal que é montada na internet em comparação com a realidade, são tão reais que assustam quem para pra refletir até onde estamos caminhando.

Black Mirror - Shut up

2 – S03E03 – Shut up and Dance (Manda quem pode)

A famosa frase de Rousseau poderia ser adaptada e aplicada aqui como “A internet nasce boa, mas o ser humano a corrompe”.

Esse episódio é tenso, e toca em temas como adultério, racismo e o controle de pessoas sobre outras na internet.

Nos últimos dias, fomos bombardeados por notícias sobre o caso “baleia azul“, que induz adolescentes e crianças ao suicídio.

A série mais uma vez acerta em cheio ao tocar na realidade ao abordar o tema desse episódio:

Um jovem que tem um momento íntimo gravado, se vê ameaçado a cumprir determinadas tarefas para não ser exposto.

Daí em diante o episódio entra em uma corrida contra o tempo para impedir a exposição do vídeo, enquanto o protagonista encontra outras pessoas em situações semelhantes.

Fato é que o episódio, no fim, destrói as expectativas em torno do personagem, ao som da depressiva Exit Music do Radiohead. Porém, as comparações com a nossa realidade são inevitáveis!

Não são poucos os casos de mulheres que cometeram suicídio após exposição de fotos e vídeos íntimos na internet. No google, os dados de busca mostram pesquisas absurdas. Pessoas que procuram material pedófilo na internet não são novidade, e mesmo sendo algo tão condenável, as buscas ainda existem.

Da mesma maneira que existem pessoas que se escondem atrás de um perfil anônimo para expor seu preconceito de raça, sexualidade, etc.

Diante desse cenário, existem os famosos “trolls”, que são tema chave do episódio. Pessoas que brincam com tudo e todos, não importando as consequências, apenas por diversão.

Assim como no episódio, as esperanças de um final feliz em um cenário como esse são bem escassas. Black Mirror acertou em cheio mais uma vez!

Black Mirror - White Bear

3 – S02E02 – White Bear (Urso Branco)

Qual é a linha que separa o “ser humano correto” do “criminoso”?

Qual é o parâmetro que determina a sua autonomia pra determinar como a justiça deve ser executada? Quando sua sede justiça vira sadismo?

White Bear é um episódio que explode cabeças, brinca com os nossos sentimentos e questiona sobre nossa humanidade (ou selvageria).

Nos apresentando uma personagem que aparentemente é perseguida sem motivo aparente, várias pessoas assistem e filmam enquanto ela corre daqueles que parecem querer matá-la.

Essas pessoas são caricaturas de nós mesmos.

Uma sociedade doente que gosta de registrar no celular imagens de morte, violência e sangue.

O público adora assistir cenas de violência doméstica, fotos de crianças com deficiências graves… As redes sociais provam isso por si só.

Mas White Bear não para por aí…

Quando, no fim, descobrimos que a protagonista é uma condenada pelo crime hediondo de assassinato de uma criança, e por isso, está destinada a ser peça principal de um parque de diversões onde a atração principal é o terror psicológico sobre a mesma, nos perguntamos quem é o maior monstro do episódio.

Afinal, ela cometeu um crime horrível, e por isso merece ser penalizada duramente pelo que fez, mas que tipo de seres humanos somos que nos divertimos e incentivamos toda uma sociedade a se divertir com tortura psicológica diária em cima de uma pessoa que nem sabe o que está acontecendo(Ela tem a memória apagada todos os dias)?

Nas antigas monarquias absolutistas europeias, em determinado momento, questionavam-se os métodos de tortura, baseados principalmente em uma justiça torta.

Questionamentos esses, que levaram à criação dos direitos humanos (Não confundir com a comissão de direitos humanos no Brasil. Tratam-se locais, épocas, questões e contextos distintos.).

Aqui, em White Bear, trata-se de uma sociedade tecnologicamente avançada, civilizada, instruída e desenvolvida.

Mas que por um senso distorcido de justiça, se vê no direito de torturar e punir diariamente quem os mesmos consideram merecedores de tal castigo.

Mais uma vez, Black Mirror escancara o caráter da sociedade na tela, enfatizando que podemos nos tornar tão monstros quanto assassinos, mesmo não assassinando ninguém.

 

É difícil ser confrontado tão duramente, mas esse é o papel de Black Mirror entre tantas séries que apenas divertem.

 

 

*Curtiu o texto? Discorda de algo? Deixe nos comentários sua opinião!

Sobre Diego Tibóto

O típico alucinado por JRPG’s e animes! Tem Final Fantasy como religião e vive em função de fazer as pessoas gostarem de coisas como One Piece, Fullmetal Alchemist e O Reino do amanhã. É estudante de história e possui uma enorme dificuldade em decidir sobre o que mais gosta, por isso tenta compartilhar de tudo um pouco no site e nas redes sociais.

Veja Também

Game of Thrones

“Ferrou minha cabeça”, diz Emilia Clarke na cena final de Daenerys em Game of Thrones

Há ainda muito a fazer para que a última temporada de Game of Thrones vá para …